A FALTA QUE FAZ A VÁRZEA NA VIDA DE UM ATLETA PROFISSIONAL

Será que os atletas do futebol profissional e de outras modalidades estão sendo devidamente orientados sobre o alcance das suas atitudes, dentro e fora de campo? Essa pergunta parece ter uma resposta bastante óbvia, afinal o que mais existe por ai são “parças” e “assessores” que auxiliam na gestão da carreira desses que além de atletas, são fíguras públicas com influência MUNDIAL, a internet permite isso.

No dia 19 de Novembro de 1969, 22 anos e alguns meses antes do nascimento de Neymar da Silva Santos Júnior, vulgo Neymar Jr. Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, marcará o seu milésimo gol na carreira, em uma penalidade frente a um público de aproximadamente 66 mil pessoas no Maracanã, o Rei do Futebol executou contra o Clube de Regatas Vasco da Gama, uma cobrança de pênalti que ficaria marcada na história do esporte mais práticado nesse país. A importância dessa “simples” cobrança de pênalti, é tamanha, que o goleiro do Vasco no jogo, Andrada, é até hoje lembrado pelo fato de poder ter evitado um momento épico do futebol, a primeira vez em que um atleta alcançaria a marca do milésimo tento.

O gol de Pelé além de sacramentar seu nome como príncipal atleta do futebol profissional do planeta, foi um momento em que a sobriedade de um craque se uniu a valores que estão cadas vez mais escassos no futebol profissional, na várzea não, no futebol brasileiro profissional, sim!

Em suas poucas palavras, após um momento que parou o estádio que nem era a casa do Santos Futebol Clube, Pelé, dedicou seu milésimo gol as crianças carentes “que precisam do pouco de quem tem muito”. A atitude do camisa 10 do Santos já era de se esperar, vindo de uma pessoa que trabalhou como engraxate para ajudar a manter um time na várzea. A trajetória de vida de um dos maiores atletas de todos os tempos, assim como qualquer outro ser humano, foi feita de altos e baixos, tudo normal dentro de um contexto onde se envolve muita fama, interesses, pessoas de boa intenção e pessoas nem tão bem intencionadas.

anúncieO Legado do maior ídolo do futebol contínua sendo exaltado, o que parece que está se perdendo são as referências que Pelé deixou sobre ter sapiência e entender alcance que uma imagem pode proporcionar a um atleta, a educação de Edson Arantes do Nascimento com certeza privilegiou o respeito pelo próximo, a base de instrução do futebol obtida nos tempos em que Pelé jogou nos terrões, também foram determinantes para que em seu auge, se recordasse de quem precisa de atenção. Será que os “craques” do futebol atual estão levando os ensinamentos básicos de educação no futebol, que na várzea ressaltam por natureza?

A classificação do Liverpool contra o Barcelona na Champions League, foi além de uma situação improvável do futebol, que diga-se de passagem, junto com o jogo entre Ajax e Tottenham, foram novos momentos épicos que servem para mostrar a força que um 11 contra 11 e uma bola, possui. No jogo em que os torcedores do Liverpool foram ao extâse, um atleta se destacou negativamente, esse vestia a camisa grená e atende pelo nome de Philippe Coutinho, o meia que tem a honraria de vestir a 7 que já foi muito bem representada por Luís Figo, Savíola, entre outros, conseguiu um feito que se não é inédito, vale uma boa noite de sono mal dormida(por aqueles que jogam o futebol e se importam com o futebol).

Coutinho que surgiu no Vasco como uma das maiores promessas do futebol e teve uma passagem importante pelo Liverpool, além de ter sentido que deve ter feito a escolha errada, já que trocou o time eliminado pela equipe que foi a final, foi literalmente escurraçado pelas mídias espanholas, chegando a levar uma sonora nota 0, por sua atuação no jogo vinda de um dos maiores veículos de mídia espanhola, o Jornal Sport, sobre Coutinho ter tido um desempenho aquém do esperado, isso é um fato, se o seu desempenho corresponde a uma nota 0, esse é outro debate, o meia-atacante a pouco tempo atrás esteve no olho do furacão, quando após ser vaiado em alguns jogos, marcou um gol e fez um gesto para os torcedores do Barcelona, indicando que tapava seus ouvidos para as críticas, a atitude não caiu bem entre torcedores, dirigentes e parece ter afetado até a própria mídia espanhola, desde então o ex-atleta do Vasco que custou cerca de 160 milhões de euros, tem sua saída sendo cobrada intensamente pelo torcedores do time da Catalunha.



Xenofobia, talvez não justifique essa perseguição, Coutinho fez algo que no futebol é inádmissível, peitou os torcedores, aqueles que entoaram seu nome. Na várzea é passado pelo “professores” ensinamentos que o atleta deve ter com o torcedor e com qualquer outro que seja, na várzea o respeito ao próximo é orientado para que seja levado à risca. Coutinho fez um gesto que se não foi desrespeitoso, ao menos indusiu ao pensamento. Outro exemplo de Craque que parece ter esquecido um pouco dos ensinamentos básicos, ou pelo menos não foi alertado sobre, é o próprio Neymar Jr. Seu talento é indiscutível, suas atitudes nem tanto, em um momento de irá o atacante do PSG agrediu um torcedor e está sendo constantemente relacionado a notícias negativas. Pouco para quem se espera que seja referência pelo seu futebol dentro de campo, Neymar já deu bons exemplos, mas não se importa tanto em manter apenas boas referências

Para o futebol brasileiro o impacto que esses e outros atletas não tem em mente, ou se tem estão sendo bem egoístas, é a referência que estão passando, na várzea se preserva muito valores de respeito com o próximo, independentemente da condição do outro, seja adversário, seja árbitro, enfim, assim como em qualquer outro setor da sociedade, existem bons e maus exemplos, a diferença entre cada um dos atores é a sua influência, tanto Neymar, quanto Coutinho, que tem talento para poder ganhar uma Copa do Mundo, assim como Pelé conseguiu, devem levar mais a sério a questão da educação, o que talvez falte para cada um deles, seja um pouco da sobriedade que Pelé demonstrou no maior momento da sua carreira, o Rei do Futebol poderia ter sido arrogante, mas escolheu ser humilde. Neymar, Coutinho e tantos outros também tem esse poder decisão, cabe a eles saberem como se portar, afinal de contas, além de estarem escrevendo suas histórias no futebol, estão representando um povo que sofre pela indiferênça da maioria e com a falta de boas referências. A responsabilidade é grande e nós preferimos acreditar que estão sendo ingênuos, mal assessorados, do que ter a certeza da irrespossabilidade e da falta de consideração que cada um que tem atitudes vergonhosas, representam para os seus conterrâneos.

Roger Marques

Redator do site www.avarzea.com.br e colunista do site www.spfc24horas.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *