A copa Kaiser ajudou ou atrapalhou a várzea?

Copa Kaiser – O ano era 1990, o país vivia uma certa euforia pois, após anos e anos lutando contra um regime ditatorial, nossa pátria teria o início do mandato de Fernando Collor de Mello, o primeiro presidente eleito em eleições diretas após o encerramento da ditadura militar(Collor fora destituído do posto 2 anos depois em um processo de impeachment). No futebol a seleção brasileira comandada por Sebastião Lazaroni se preparava para o mundial reunindo estrelas como Müller, Taffarel, Careca, entre outros.





Na várzea surgia a famosa copa “Kaiser”, o torneio que reunia os melhores times de futebol da várzea paulistana, foi criado após uma decisão tomada pela Federação Paulista de Futebol, que decidirá por não apoiar mais o maior torneio de futebol de várzea, a Copa da Cidade.

A criação do torneio foi um marco para a várzea, ter um patrocinador forte associando sua imagem ao torneio de futebol, fez com que todas as mídias se voltassem para o torneio. O outro lado desse contexto, os jogadores, dizem que não foi a cervejaria quem ajudou a várzea e sim a várzea que facilitou para a disseminação da marca. Essa discussão é muito extensa, o que se sabe é que o torneio foi e é até hoje se não a maior, uma das maiores referências de torneios disputados na várzea paulistana.

O torneio que foi disputado oficialmente entre os anos de 1995 e 2014 não possui um time que tenha sido campeão por diversas vezes, todavia os times grandes do futebol de várzea de São Paulo, sempre entravam com times badalados que chegavam até as fases finais do torneio. O torneio que é visto para muitos como a profissionalização do futebol de várzea, reuniu jogadores consagrados no futebol brasileiro, casos como Leandro Damião que jogou o torneio em 2006 e 2007 pelo nós travamos e atualmente defende as cores do Internacional de porto alegre e de Elias que jogou pelo Leões da Geolândia e atualmente veste as cores do Atlético Mineiro, são exemplos de atletas que tiveram em sua formação uma passagem pela várzea e tem sua imagem associada ao torneio.

Visitando os times da várzea encontramos muitas pessoas que disputaram o torneio e questionam a importância do mesmo, pois a partir da visibilidade que o torneio proporcionava, muitos times que eram formados por jogadores provenientes dos bairros, passaram a contratar jogadores de outras “quebradas” para a disputa, e assim os times acabavam tendo muitos jogadores que não tinham identificação com o bairro e estavam na disputa por interesse financeiro.

Há quem diga que o fim do torneio se deu, pois a cervejaria começou a entender que os torcedores associavam as derrotas dos seus times aos seus produtos e assim estavam perdendo consumidores. O torneio apesar dos questionamentos é muito exaltado por quem sagrou-se vencedor, não apenas pela visibilidade mas por todo o contexto que proporcionava, para se ter uma ideia da grandiosidade, a final de 2014 entre o Ajax da Vila Rica e o Turma do Baffô do Jardim Climax reuniu mais de 20 mil pessoas no estádio Paulo Machado de Carvalho, o Pacaembu.

Ajax – Campeão da copa Kaiser 2012

Em 2015 com a desistência da cervejaria patrocinadora oficial, outro cervejaria surgiu com a intenção de promover um torneio com as mesmas formas de disputa, porém a promessa não vingou e até o momento o torneio é considerado como extinto, a sua importância para o futebol de várzea é indiscutível, mas o aporte financeiro que foi empregado no universo varzeano, para muitos vai ser sempre marcado como o momento em que a várzea perdeu sua essência.




Roger Marques

Redator do site www.avarzea.com.br e colunista do site www.spfc24horas.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *