As curiosidades por trás dos campos da várzea

O futebol tem se tornado dia após dia um esporte que é mais comparado a um espetáculo do que necessariamente a uma prática esportiva que envolve apenas os 11 jogadores de cada time e os juízes que apoiam as partidas, essa compreensão do esporte mais popular do Brasil não pode ser encarada como uma crítica ou qualquer coisa que remeta ao saudosismo, as mudanças precisam ser encaradas com naturalidade, afinal a sociedade como um todo se transformou. 

O advento da tecnologia fez com que as pessoas mudassem a sua compreensão sobre o que de fato é interessante, as peças teatrais ao ar livre já não tem tanto valor, o cinema mudo que ficou eternizado pelas interpretações de Charlie Chaplin talvez nem fosse produzido nos tempos atuais, as pessoas que gastavam boa parte do seu tempo procurando estações de rádio que tocassem uma música que lhe agradasse, hoje tem suas playlist’s com suas músicas prediletas. Entre outros aspectos a sociedade como um todo deixou de dar valor a simplicidade das coisas e hoje os gostos são mais apurados. Vale ressaltar novamente que essa forma de ver a vida não é melhor nem pior, é apenas uma evolução natural devido a recursos que hoje estão literalmente na palma da mão das pessoas.

No país onde um estudou demonstrou que existem mais smartphones do que habitantes, o futebol de várzea é visto como uma das maiores referências de resistência aos tempos modernos, muitos campos de futebol deixaram de existir e deram lugar a moradias, prédios comerciais, terminais de transporte público e etc. Os campos que permanecem ativos são em sua maioria mantidos com o menor investimento possível, os times da várzea não tem muita visibilidade e tampouco investimento de terceiros ou apoio do poder público, é claro que assim como no futebol profissional existem times na várzea que são grandes potências e possuem estrutura que em alguns casos são semelhantes a times profissionais.

Os campos de várzea são verdadeiras relíquias que deveriam ser até consideradas como patrimônio cultural da humanidade, muitos não se dão conta das particularidades dos campos da várzea, mas distante dos chamados “tapetes verdes”, os campos da várzea em muitos casos possuem dimensões completamente fora dos padrões estimados internacionalmente.

Tem campo em que uma área é maior que a outra:

Noutro uma lateral tem mais profundidade que a outra:

Essas singularidades dão um toque a mais para a prática do esporte bretão, o futebol de várzea em sua essência além de representar o amor pela prática esportiva, em muitos casos representa o sonho das pessoas de se tornarem jogadores de futebol. Para a maioria dos varzeanos pouco importa se o campo está com desnível, se existem diferenças de tamanhos ou qualquer outro tipo de situação que dificulte o jogo. Essas diferenças são ignoradas por dois motivos principalmente, o primeiro é que o jogo é de dois tempos e os dois times vão desfrutar das mesmas dificuldades e também porque o mais importante é jogar, independente das circunstâncias o mais importante é colocar a redonda para jogo.

As imagens exibidas acima foram retiradas do google maps e não possuem as referências dos locais, para que não exista a exposição dos times relacionados aos campos, afinal essa é mais uma das “artimanhas” do futebol de várzea.




Roger Marques

Redator do site www.avarzea.com.br e colunista do site www.spfc24horas.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *