ARRASCAETA SAI DO CRUZEIRO PARA O FLAMENGO, O QUE ISSO TEM A VER COM A VÁRZEA?

Nos últimos dias quem acompanha futebol viu uma das ações mais contestáveis nos últimos anos no futebol brasileiro, o meia uruguaio Giorgian Daniel De Arrascaeta Benedetti, que no Brasil é conhecido como “De Arrascaeta” e também é lembrado por seus belos gols, participou de um dos momentos mais relevantes para o futeol nacional.

De Arrascaeta está acertado com o Flamengo e irá vestir a camisa rubro negra no ano de 2019, depois de viver uma grande fase no Cruzeiro, o meia foi um dos principais atores na conquísta da Copa do Brasil do ano de 2018, ano de 2019 seria mais uma oportunidade de se consolidar como ídolo da torcida Cruzeirense, seria, a troca de clubes conturbada que teve até a divulgação do celular do atleta para torcedores, virou manchete e nós aproveitamos para uma discussão bastante presente na várzea. A situação de atletas que defendem mais de uma equipe na nossa querida várzea.




Nos tempos atuais o futebol profissional, principalmente, tem se tornado um verdadeiro “mercado de atletas”, a venda de Neymar, que não ganhou uma copa do mundo, não ganhou uma bola de ouro(prêmio de futebol criado pela revista francesa France Footbal, dado ao melhor atleta do ano), porém é um dos melhores atacantes do momento, na várzea costuma se usar a expressão “diferenciado” e Neymar é diferenciado. O PSG fez um acordo com o Barcelona que ultrapassa a casa dos 800 milhões de reais, uma das transações mais caras de todos os esportes.

De Arrascaeta custará mais de 60 milhões de reais ao Flamengo, isso mostra que o futebol brasileiro também tem dinheiro, na várzea o valor que um atleta recebe é tratado com muita discrição e é óbvio que são valores bem menos expressivos, todavia o fato é levado em consideração nas rodas de resenha.




Diferentemente do futebol profissional, na várzea os atletas não firmam acordos de jogar pelas equipes por anos, a “contratação” é feita pessoalmente e diante das dificuldades financeiras, muitos atletas jogam mais de uma partida por dia, em alguns casos chegam a arriscar sua saúde jogando três partidas em um dia.

Para muitas pessoas isso sugere uma certa falta de identificação com as agremiações e gera até críticas aos atletas durante os jogos, sabemos da paixão que existe por parte dos torcedores na várzea, mas chamamos a atenção para o fator ecônomico que atinge a todos os setores da sociedade, na várzea muitos atleta sustentam suas famílias através das partidas que jogam aos finais de semana e o que antigamente era considerado como um hobby, está se tornando ou já se tornou a muito tempo, uma profissão.




Os atletas sabem da responsabilidade que tem quando entram em campo, quando não correspondem são cobrados e isso é uma situação que enquanto o futebol existir, ela continuará presente, a diferença é que se nos casos de atletas profissionais que são circundados por seguranças e possuem respaldo por parte das agremiações, na várzea o atleta que não corresponde tem o contato direto com o torcedor.

O futebol de várzea está se modernizando, o comportamento do torcedor que agora assiste aos jogos pelas redes sociais, dos dirigentes que se preocupam em organizar competições cheias de glamour, a visibilidade que as mídias varzeanas estão dando as agrêmiações e aos atletas, são indicios de que, guardadas as proporções, a várzea segue firme no rumo do Futebol Moderno.

Roger Marques

Redator do site www.avarzea.com.br e colunista do site www.spfc24horas.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *